MIRADOURO-MG: PARA ENTENDER O DESFILE DO BLOCO BICHO DO SERENO

Segunda-feira: 04 de março de 2019
Concentração: Final da Rua Barão do Rio Branco às 19:30 h saída às 20 h
Dispersão: Pracinha Verde (perto do Banco do Brasil)

Homenageado: Braz Schetttini – a escolha do homenageado segundo a missão e o objetivo desde a criação do projeto do bloco é trazer na construção da História atual a memória daqueles cidadãos que contribuíram com Miradouro no campo da Cultura.

Enredo: “Pra ver a banda passar, tocando uma linda história de amor”
Carnavalesco: Renato Mata
Mestre de Bateria: Sandro Rios

Para muito além da animação e alegria, tem muito resgate histórico de nossa cidade, tem muita pesquisa, tem uma visão cultural riquíssima. E claro, que muito trabalho, parcerias, muita dedicação e envolvimento de miradourenses… Isso tudo só pode resultar num lindo espetáculo que há 07 anos vem encantando no Carnaval de Miradouro.
Em 2019, para contar o enredo, o bloco será composto por 09 alas, bateria e a Ala do Folião, aquela ala que todo mundo que não está fantasiado dentro do enredo pode seguir e ajudar a animar ainda mais a festa, no finalzinho da organização das alas fantasiadas, onde fica o gato preto mascote da Ong Bicho do Sereno e dos Blocos Bicho do Sereno e Bicho do Amanhã.

Assim miradourenses e visitantes poderão apreciar a seguinte organização da composição do desfile:

1. Comissão de Frente: Lenda italiana “La Befana”, para trazer certa magia e mexer com nosso imaginário ao agregar outras histórias ligadas num extenso processo cultural, uma versão do que conhecemos como Papai Noel.
2. Ala Infantil I – Encantos da Itália (Ala Doce) – aqui se faz uma referência direta aos produtos feitos por D. Adelina Schettini, esposa do Sr. Braz, na padaria da Rua Santo Antônio.
3. Ala Infantil II (Ala Padeiro) – nesta ala teremos os belos pães e gostosuras feitas pela família Schettini.
4. Ala Tarantella – composta pelos membros da família do Sr. Braz Schettini, aqui se traz a essência da cultura italiana, a origem dos antepassados, muita alegria e emoção para tomar conta das ruas de nossa cidade.
5. Ala Tico-Tico no Fubá – como exímio músico, nosso homenageado além de gostar dos clássicos e músicas religiosas, também gostava do fantástico compositor Zequinha de Abreu. E o chorinho Tico-Tico no Fubá fez parte de 05 trilhas sonoras de filmes americanos na década de 1940, cantado pela magnífica Carmen Miranda.
6. Ala Juiz de Paz – aqui nos remetemos a outro ofício também exercido pelo Sr. Braz, e fazemos uma homenagem ao escritor Martins Pena, com a peça teatral O Juiz de Paz na Roça, considerada a primeira comédia de costume do teatro brasileiro. Aqui a ideia é o lado caricato do que seriam os típicos problemas do dia a dia.
7. Ala Carnaval em Veneza – teremos outra referência à cultura italiana, um carnaval diferente dos moldes em que conhecemos essa festa, com figurino e máscaras, há uma referência aos trajes de nobres e personagens da Commedia Dell’Arte – representações teatrais muito comuns na Itália, festejo embalado a valsas, tarantellas e ultimamente o samba.
8. Ala Músicos – aqui surge o homenageado com toda sua aptidão e dedicação ao campo musical, assim as bandas marciais, os vários instrumentos que ele tocava trazem uma mostra da multiplicidade do talentoso Braz Schettini.
9. Ala Religiosidade – De forma respeitosa e simbólica, trazemos nesta ala a vivência de um cidadão no campo da religiosidade com toda sua fé, suas crenças e devoções, membro da Congregação Mariana e um músico-cristão presente nas celebrações da Matriz Santa Rita de Cássia, nas procissões e alvoradas.
10. Ala do Folião – neste espaço aparece a mascote do Bloco Bicho do Sereno, e fechamos o desfile com outra lenda italiana. Se aqui no Brasil por questões culturais nos ensinaram que gato preto dá azar, em outros países acontece o contrário: gato preto é sinal de boa sorte, dessa maneira, ao lado das superstições, na Itália – na Roma Antiga – considerava-se que os gatos pretos traziam boa fortuna. Por isso, após a morte deles, costumava-se queimá-los e espalhavam-se suas cinzas para desejar uma boa colheita. Dessa forma o gato preto é visto como símbolo de prosperidade e boa sorte.

Teremos ainda à frente da bateria, o casal de mestre sala e porta bandeira, conduzido pelo bailarino Diones de Castro, representando um soldado romano e sua parceira de dança representando a força da mulher romana.

Da escolha do homenageado, até o desfile prontinho e bonito de se ver, surgem várias ligações a outras pessoas, outras histórias, outras culturas, outros lugares distantes, outros fatos da história de Miradouro… O enredo do desfile é um fio onde se colocam as contas para formar um lindo cordão harmonioso e coerente em suas partes. Toda escolha é motivada, e quando entendemos esse conjunto, percebemos que a animação é a cereja do bolo, é o que dá movimento a toda essa multiplicidade de textos e contextos, enfim, temos a grandiosidade da riqueza e da diversidade cultural, em um determinado recorte histórico.

Texto: Renato Mata
Associação Pró-Cultura Amigos do Bicho do Sereno

By: Miradouronoticias.com

5 comentários sobre “MIRADOURO-MG: PARA ENTENDER O DESFILE DO BLOCO BICHO DO SERENO

  1. Respirei fundo, fiquei com saudade dele e ao mesmo alegre por ter a oportunidade de rever coisas importantes na vida do meu pai. Muito obrigada Renato por ter conseguido buscar estas coisas. Até la👏👏👏👏👏

  2. Já me encontro emocionada só de ler o texto, imagina no desfile. Eu que sempre fui apaixonada por carnaval, com certeza esta homenagem só nos faz firmar o compromisso com nossa Miradouro. Muito abrigada, Renato! Muito obrigada a todos àqueles que direta ou indiretamente estão a contribuir para que essa festa seja a mais alegre de todas!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *